Pesquisa no Blog

Pesquisa no Google

 
bove=""

 

Canal do Blog no YouTube

PADRE DJACY BRASILEIRO

NA LUTA CONSTANTE EM FAVOR

DA CLASSE MENOS FAVORECIDA 

Rádio Web

Art Regina, Art com Grafite

Comunicação Audiovisual -Tavares/PB.

 Fone: (83) 9 9869-8213. Hélio Mendes.

STAR FOTO E VÍDEO

 

By Fábio Arrud@&Silvan@

Praça Coronel José Pereira -04

Centro-Princesa Isabel - PB

CONTATO: 041 83 999463213

         FECEBOOK

Pauliano Tomaz

Justiça determina que Guido Mantega coloque tornozeleira eletrônica

Justiça determina que Guido Mantega coloque tornozeleira eletrônica

G1 A Justiça determinou que o ex-ministro Guido Mantega coloque tornozeleira...

Tarifa de energia fica 4,27% mais barata na Paraíba

Tarifa de energia fica 4,27% mais barata na Paraíba

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou, nesta terça-feira (20), a redução...

TCE-PB aprova por Unanimidade contas de 2017 do prefeito de Santana dos Garrotes, Dedé de Zé Paulo

TCE-PB aprova por Unanimidade contas de 2017 do prefeito de Santana dos Garrotes, Dedé de Zé Paulo

O Tribunal de Contas da Paraíba(TCE-PB), aprovou por unanimidade, nesta quarta-feira...

Operação ‘Bilhete Legal’ aponta prejuízo de R$ 150 milhões na Paraíba

Operação ‘Bilhete Legal’ aponta prejuízo de R$ 150 milhões na Paraíba

O secretário executivo da Fazenda da Paraíba, Bruno Frade, nesta terça-feira, 20, teceu...

Polícia Militar encontra corpo da jovem desaparecida em Patos

Polícia Militar encontra corpo da jovem desaparecida em Patos

A Polícia Militar confirmou que o corpo encontrado no começo da tarde desta quarta-feira,...

  

Na Câmara, 82% são a favor do texto; no Senado, o percentual chega a 89%

Por Mariana Fraga

 

A maior parte do Congresso Nacional é a favor da Reforma da Previdência, segundo pesquisa divulgada nesta segunda-feira (11) pelo banco BTG Pactual. Na Câmara, 82% são a favor da reforma, enquanto no Senado, o percentual chega a 89%.

A mudança nas regras previdenciárias também tem o apoio de especialistas. Para o economista e doutor em Ciências Políticas Paulo Tafner, não há mais como o Estado sobreviver se não fizer mudanças consideráveis.

“Vários estados não estão pagando o salário em dia, nem a aposentadoria. Hoje, em mais da metade dos estados, a folha com aposentado é maior com ativo e a tendência é só crescer. E hoje não tem mais jeito do Estado sobreviver se não for enfrentando a questão previdenciária. E a população está percebendo isso porque ela percebe que é pior não ter educação, não ter segurança e não ter salário do que mexer na aposentadoria.”

Na proposta da reforma da Previdência, o governo quer utilizar o sistema de capitalização, no qual o trabalhador faz uma espécie de poupança para garantir a aposentadoria no futuro. Esse regime vai substituir o atual modelo de repartição, no qual quem contribui paga os benefícios de quem já está aposentado.

Segundo Tafner, o modelo atual transfere um custo individual para o coletivo. Por isso, o especialista entende que o governo quer incentivar as pessoas a bancarem sua própria aposentadoria.

“A gente está tirando o risco do ombro da sociedade. Parte do problema do nosso sistema é que a Previdência criou um mecanismo de enorme proteção às pessoas, cujo esforço de poupança é muito baixo. Um bom modelo é aquele que dá uma proteção mínima e força e incentiva as pessoas à fazerem a sua pensão, a sua aposentadoria, poupando ao longo da vida. É necessário criar um sistema que incentive as pessoas e as famílias a fazerem a sua poupança.”

Na proposta enviada para o Congresso, a maioria dos parlamentares também é favorável à inclusão dos militares na reforma e em regras diferentes para aposentados rurais e urbanos. No entanto, a maioria dos congressistas discorda da proposta de idade mínima igual para homens e mulheres, que seria de 65 anos.

O levantamento do BTG Pactual foi realizado pelo instituto de pesquisa FSB entre os dias 4 e 8 de fevereiro, com 235 deputados federais e 27 senadores.

A maior parte do Congresso Nacional é a favor da Reforma da Previdência, segundo pesquisa divulgada nesta segunda-feira (11) pelo banco BTG Pactual. Na Câmara, 82% são a favor da reforma, enquanto no Senado, o percentual chega a 89%.

A mudança nas regras previdenciárias também tem o apoio de especialistas. Para o economista e doutor em Ciências Políticas Paulo Tafner, não há mais como o Estado sobreviver se não fizer mudanças consideráveis.

“Vários estados não estão pagando o salário em dia, nem a aposentadoria. Hoje, em mais da metade dos estados, a folha com aposentado é maior com ativo e a tendência é só crescer. E hoje não tem mais jeito do Estado sobreviver se não for enfrentando a questão previdenciária. E a população está percebendo isso porque ela percebe que é pior não ter educação, não ter segurança e não ter salário do que mexer na aposentadoria.”

Na proposta da reforma da Previdência, o governo quer utilizar o sistema de capitalização, no qual o trabalhador faz uma espécie de poupança para garantir a aposentadoria no futuro. Esse regime vai substituir o atual modelo de repartição, no qual quem contribui paga os benefícios de quem já está aposentado.

Segundo Tafner, o modelo atual transfere um custo individual para o coletivo. Por isso, o especialista entende que o governo quer incentivar as pessoas a bancarem sua própria aposentadoria.

“A gente está tirando o risco do ombro da sociedade. Parte do problema do nosso sistema é que a Previdência criou um mecanismo de enorme proteção às pessoas, cujo esforço de poupança é muito baixo. Um bom modelo é aquele que dá uma proteção mínima e força e incentiva as pessoas à fazerem a sua pensão, a sua aposentadoria, poupando ao longo da vida. É necessário criar um sistema que incentive as pessoas e as famílias a fazerem a sua poupança.”

Na proposta enviada para o Congresso, a maioria dos parlamentares também é favorável à inclusão dos militares na reforma e em regras diferentes para aposentados rurais e urbanos. No entanto, a maioria dos congressistas discorda da proposta de idade mínima igual para homens e mulheres, que seria de 65 anos.

O levantamento do BTG Pactual foi realizado pelo instituto de pesquisa FSB entre os dias 4 e 8 de fevereiro, com 235 deputados federais e 27 senadores.