Pesquisa no Blog

Pesquisa no Google

 
bove=""

 

Canal do Blog no YouTube

PADRE DJACY BRASILEIRO

NA LUTA CONSTANTE EM FAVOR

DA CLASSE MENOS FAVORECIDA 

Art Regina, Art com Grafite

Comunicação Audiovisual -Tavares/PB.

STAR FOTO E VÍDEO

 

By Fábio Arrud@&Silvan@

Praça Coronel José Pereira -04

Centro-Princesa Isabel - PB

CONTATO: 041 83 999463213

         FECEBOOK

Pauliano Tomaz

Menina de 11 anos tira família de casa de taipa escrevendo livros a mão em Remígio, PB

Menina de 11 anos tira família de casa de taipa escrevendo livros a mão em Remígio, PB

G1 PBUm futuro promissor no universo da arte é o sonho de Rita de Cássia Oliveira...

Após perder comarca, Prefeitura de Santana dos Garrotes ganha imóveis da Justiça

Após perder comarca, Prefeitura de Santana dos Garrotes ganha imóveis da Justiça

Apesar de a população da cidade de Santana dos Garrotes, na região do Vale do Piancó, ter...

Homem é assassinado a pauladas, na Paraíba

Homem é assassinado a pauladas, na Paraíba

Um homem foi morto na manhã desta segunda-feira (9), no município de Santa Rita, na...

PRINCESA ISABEL: Vendedores ambulantes devem procurar o setor de tributos para liberação de vendas na Festa do dia 15 de dezembro

PRINCESA ISABEL: Vendedores ambulantes devem procurar o setor de tributos para liberação de vendas na Festa do dia 15 de dezembro

O Setor de Tributos do município de Princesa Isabel alerta aos vendedores ambulantes para...

Criança fica presa dentro de panela de pressão e é resgatada por bombeiros

Criança fica presa dentro de panela de pressão e é resgatada por bombeiros

Foto: Reprodução/WhatsAppUma criança de 1 ano e 9 meses de idade ficou presa...

  

chico neves

O ex-prefeito de São Sebastião do Umbuzeiro, Francisco Alípio Neves, foi condenado a três anos de reclusão e 100 dias-multa, sob a acusação de irregularidades na aquisição de material de expediente. A pena foi convertida em prestação de serviços à comunidade e prestação pecuniária equivalente a cinco salários mínimos. A sentença foi prolatada durante o Mutirão da Meta 4, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), no âmbito do Judiciário estadual, pelo juiz Sivanildo Torres Ferreira, nos autos do processo nº 000291-69.2017.815.0241.

De acordo com a denúncia do Ministério Público estadual, as irregularidades ocorreram durante o exercício financeiro de 2009. O então gestor adquiriu materiais de expediente destinado à Prefeitura e às secretarias municipais, sendo as compras realizadas em inúmeras etapas e a fornecedores distintos, de forma continuada, na intenção de promover a dispensa de licitação com base em valor inferior ao limite mínimo, quando era previsível a necessidade de materiais dessa natureza constante e permanentemente no curso de todo o exercício.

Para o MP, a burla ao devido processo licitatório consistiu no fracionamento indevido das despesas com aquisição de materiais de expediente, a fim de que o valor de cada compra ficasse no limite previsto no artigo 23, II, a, da Lei nº 8666/93 e, assim, justificar a dispensa de licitação. Além do mais, o ex-gestor não comprovou parte das despesas com esses produtos, implicando em desvio de rendas públicas.

A defesa do ex-prefeito pediu a absolvição, sustentando que a denúncia não descreveu, de forma pormenorizada, a conduta dita ilícita, não indicou o dano ao erário, bem como não narrou a conduta lesiva supostamente praticada. Disse que o Município possuía uma comissão permanente de licitação com total autonomia e independência para executar todos os atos administrativos necessários à formalização das licitações. Afirmou, ainda, que, no presente caso, a comissão verificou que o valor do bem ou serviço não ultrapassava o limite de R$ 8 mil, sendo dispensável a licitação.

O ex-gestor foi enquadrado no crime previsto no artigo 89 da Lei nº 8.666/93. Na sentença, o juiz Sivanildo Torres explicou que esse tipo de crime é formal, não exigindo a prova do efetivo prejuízo à administração pública. “Pela vasta documentação acostada aos autos, vemos que as compras eram feitas em datas muito próximas, o que nos leva a concluir que a prefeitura poderia se organizar para realizar o procedimento licitatório adequado para tais compras, mas assim não agiu, justamente com o intuito de direcionar as compras de forma parcelada para as empresas que ela bem entendesse, sem dar chance de participação a outros concorrentes”, destacou o magistrado.

Cabe recurso dessa decisão.

Por Lenilson Guedes