Pesquisa no Blog

Pesquisa no Google

 
bove=""

 

CANTINHO DO LANCHE

INSCREVA-SE EM NOSSO CANAL NO YOUTUBE

TV diário do Sertão Ao Vivo

HELIOMAR CD'S

CANAL DE PADRE FÁBIO NO YOUTUBE

QR Code - Aponte a câmera do celular para o código

Rafael Jacinto no YouTube

PADRE DJACY BRASILEIRO

NA LUTA CONSTANTE EM FAVOR

DA CLASSE MENOS FAVORECIDA 

Art Regina, Art com Grafite

Comunicação Audiovisual -Tavares/PB.

Pauliano Tomaz

Visualizações

contador de acesso
PRINCESA ISABEL: Secretária de saúde visita UBS’S e fala sobre resolutividade da Rede de Atenção Básica

PRINCESA ISABEL: Secretária de saúde visita UBS’S e fala sobre resolutividade da Rede de Atenção Básica

A Secretária de Saúde de Princesa Isabel, Nininha Lucena, visitou as Unidades...

TAVARES: Boletim Epidemiológico e Mapa referente aos casos confirmados dos dias 21 a 25 de setembro

TAVARES: Boletim Epidemiológico e Mapa referente aos casos confirmados dos dias 21 a 25 de setembro

A prefeitura de Tavares, no Sertão da Paraíba, por meio da Secretaria Municipal de...

Justiça condena João Pessoa a pagar R$ 20 mil de indenização por negligência médica em parto realizado no Hospital Cândida Vargas — Foto: Francisco França/Jornal da Paraíba

G1 PB

A Prefeitura de João Pessoa foi condenada a pagar uma indenização de R$ 20 mil por danos morais, devido a negligência da equipe médica do Hospital Cândida Vargas durante a realização de um parto, que causou problemas de saúde permanentes à criança. A sentença foi divulgada nesta sexta-feira (6) pelo Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB).

Ao G1, a assessoria de comunicação da Secretaria de Saúde de João Pessoa (SMS-JP) informou que o município não foi notificado pela Justiça e que só se pronunciará sobre o caso após receber uma notificação oficial. Segundo o TJPB, o município alegou no processo que não existe comprovação entre a lesão da criança com a conduta médica adotada pela equipe da unidade hospitalar. Ainda cabe recurso à decisão.

O parto aconteceu no dia 6 de julho de 1999. De acordo com o processo, a gestante esperou por mais de 10 horas para a realização de um parto normal. A investigação aponta que o método não era adequado para o caso, porque não havia espaço suficiente para a retirada do bebê. A retirada violenta teria causado lesões à criança.

Segundo a sentença proferida pelo juiz Antônio Carneiro de Paiva Júnior, da 2ª Vara da Fazenda Pública da capital, foi comprovado que as manobras médicas foram responsáveis pelos problemas de saúde provocados na vítima.

“A indenização pelo dano moral deve representar para a vítima uma satisfação capaz de amenizar de alguma forma o sofrimento impingido e de infligir ao causador sanção e alerta para que não volte a repetir o ato”, enfatizou.