Pesquisa no Blog

Pesquisa no Google

 
bove=""

 

CANTINHO DO LANCHE

INSCREVA-SE EM NOSSO CANAL NO YOUTUBE

TV diário do Sertão Ao Vivo

HELIOMAR CD'S

CANAL DE PADRE FÁBIO NO YOUTUBE

QR Code - Aponte a câmera do celular para o código

Rafael Jacinto no YouTube

PADRE DJACY BRASILEIRO

NA LUTA CONSTANTE EM FAVOR

DA CLASSE MENOS FAVORECIDA 

Art Regina, Art com Grafite

Comunicação Audiovisual -Tavares/PB.

Pauliano Tomaz

Visualizações

contador de acesso
Menos de 10 cursos superiores à distância alcançam nota máxima no Enade de 2019

Menos de 10 cursos superiores à distância alcançam nota máxima no Enade de 2019

Apenas 511 dos 8.368 cursos superiores avaliados pelo Exame Nacional de Desempenho de...

João Azevêdo anuncia para novembro convocação de 590 professores concursados

João Azevêdo anuncia para novembro convocação de 590 professores concursados

O governador João Azevedo disse hoje que assina em novembro a convocação de 590 novos...

Governo da PB renova estado de calamidade pública por 180 dias devido ao coronavírus

Governo da PB renova estado de calamidade pública por 180 dias devido ao coronavírus

O Governo da Paraíba renovou por mais 180 dias o decreto de estado de calamidade pública,...

Desde o primeiro registro de atendimento, todos ficarão sob sigilo para a mulher não ser encontrada pelo agressor

Todos os registros cadastrais de mulheres em situação de risco, decorrente de Violência Doméstica e Intrafamiliar ficarão sob sigilo. Isso é o que diz a lei publicada nesta quinta-feira (15), no Diário Oficial do Estado. A medida vale para qualquer tipo de violência e o seu registro nos cadastros dos órgãos do Estado da Paraíba, visando assegurar a integridade física e sobrevivência da mulher e dos filhos.

O texto de autoria do deputado Nabor Wanderley e sancionado pelo governador João Azevêdo diz respeito ao sigilo dos dados cadastrais dos filhos e da mulher vítima de violência nos cadastros das Secretarias de Estado da Segurança e Defesa Social, da Educação e da Ciência e Tecnologia, e da Saúde. O objetivo é dificultar que o agressor consiga informações que levem à vítima.

“A inserção no sigilo dos dados cadastrais das mulheres em situação de risco, e dos dados de seus filhos e outros membros das suas famílias dar-se-á a partir do momento em que a mulher for atendida pelo primeiro órgão público do Estado”, diz o texto sancionado. A lei diz ainda que o Poder Público poderá celebrar convênios com os municípios do Estado da Paraíba para ampliar o sigilo para as prefeituras.

Suetoni Souto Maior