Pesquisa no Blog

Pesquisa no Google

 
bove=""

 

Vereadora Lenira - Tavares/PB

REAL JUREMA CAMPEÃ 2017 DO CAMPEONATO TAVARENSE DE FUTEBOL

 

 

 

PADRE DJACY BRASILEIRO

NA LUTA CONSTANTE EM FAVOR

DA CLASSE MENOS FAVORECIDA 

DO  SERTÃO PARAIBANO

Rádio Web

KM JUREMA CLIQUE NA IMAGEM ABAIXO E OUÇA A RÁDIO AO VIVO

Art Regina, Art com grafite

O CANAL DO BLOG NO YOUTUBE

     Comunicação Audiovisual                  

        fone: (83)9 98698213

            Hélio Mendes

STAR FOTO E VÍDEO

  

By Fábio Arrud@&Silvan@

Praça Coronel José Pereira -04

Centro-Princesa Isabel - PB

CONTATO: 041 83 999463213

                   FECEBOOK

 

 

Quadrilha é presa suspeita de roubo de carga de caminhões em Monteiro, PB

Quadrilha é presa suspeita de roubo de carga de caminhões em Monteiro, PB

Foto: João Joaldo/Polícia CivilQuatorze pessoas integrantes de uma quadrilha...

Abertura da Copa Seconfov de Futsal em Tavares é marcada por grande público

Abertura da Copa Seconfov de Futsal em Tavares é marcada por grande público

Com informações e fotos de Marta Alves - AscomA prefeitura de Tavares, no...

Corpo de agricultor é encontrado boiando no açude do Macambira em Solidão

Corpo de agricultor é encontrado boiando no açude do Macambira em Solidão

Em Solidão, no Vale do Pajeú, a GT do graduado de Operações foi informada por volta das...

Caminhão pipa tomba no Vale do Piancó

Caminhão pipa tomba no Vale do Piancó

Um caminhão pipa, pertencente a Luiz Mário, tombou, por volta das 13h, desta quarta-feira...

Construção de posto de saúde do bairro José Benone em Água Branca, na PB,  já está em andamento

Construção de posto de saúde do bairro José Benone em Água Branca, na PB, já está em andamento

Conforme já havia sido anunciado pela Secretaria de Saúde de Água Branca, no Sertão...

Psicólogo é preso após prefeito denunciar falsos atestados médicos em São José de Caiana

Psicólogo é preso após prefeito denunciar falsos atestados médicos em São José de Caiana

Prefeito Zé Leite (foto) denunciou o psicólogo após atestados médicos falso.Um...

Ministro considerou que pedido para rever atual entendimento deverá ser discutido em novo julgamento das ações, de mérito; marcação de data cabe à presidente do STF, Cármen Lúcia.

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (Foto: Nelson Jr./SCO/STF)

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (Foto: Nelson Jr./SCO/STF)

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), rejeitou nesta terça-feira (20) recurso apresentado contra decisão de 2016 na qual a Corte permitiu o cumprimento da pena de prisão após uma condenação em segunda instância.

O recurso, chamado “embargos de declaração”, foi apresentado no último dia 14 e buscava reverter o atual entendimento, para que a execução da pena se inicie somente após o chamado “trânsito em julgado”, ou seja, a decisão definitiva na quarta instância da Justiça – o próprio STF.

Edson Fachin rejeitou o recurso por considerar que uma eventual mudança nesse sentido só será possível em um novo julgamento da ação, de “mérito”, ainda a ser marcada pela presidente do STF, Cármen Lúcia.

Nessa decisão de mérito, os 11 ministros da Corte deverão discutir de maneira mais aprofundada a questão. Em 2016, quando a execução provisória da pena foi aprovada por 6 votos a 5, a decisão se deu em caráter “cautelar” (provisório).

“Estando o mérito apto a ser deliberado pelo colegiado, as questões apontadas na petição dos embargos, na ambiência daquele julgamento, serão analisadas de maneira mais eficaz e definitiva do que com a reabertura da discussão em sede meramente cautelar”, escreveu o ministro.

Fachin também rejeitou pedido do recurso, para que ele o levasse a julgamento no plenário, diretamente, sem inclusão do processo na pauta do plenário, definida pela ministra Cármen Lúcia.

O ministro afirmou que, mesmo que os embargos, pelo regimento do STF, não precisem ser incluídos na pauta oficial, a data de julgamento, de qualquer modo, também depende de decisão da presidente da Corte.

 

O recurso foi apresentado em duas ações, cujas decisões de aplicam a todas as pessoas, sem vinculação a qualquer caso específico. Essas ações têm como relator o ministro Marco Aurélio Mello, que, em dezembro, liberou o processo para julgamento no plenário.

Por Renan Ramalho, G1, Brasília