Pesquisa no Blog

Pesquisa no Google

 
bove=""

 

PADRE DJACY BRASILEIRO

NA LUTA CONSTANTE EM FAVOR

DA CLASSE MENOS FAVORECIDA 

Rádio Web

KM JUREMA CLIQUE NA IMAGEM ABAIXO E OUÇA A RÁDIO AO VIVO

Art Regina, Art com grafite

Comunicação Audiovisual -Tavares/PB.

 Fone: (83) 9 9869-8213. Hélio Mendes.

STAR FOTO E VÍDEO

 

By Fábio Arrud@&Silvan@

Praça Coronel José Pereira -04

Centro-Princesa Isabel - PB

CONTATO: 041 83 999463213

         FECEBOOK

Ladrões assaltam mercadinho em menos de 1 minuto e fogem com sacolas de dinheiro, no Sertão da PB

Ladrões assaltam mercadinho em menos de 1 minuto e fogem com sacolas de dinheiro, no Sertão da PB

Poucas horas após um assalto ser praticado a um mercadinho no bairro Nova Vida...

Homem é atingido por raio e sobrevive no Paraná

Homem é atingido por raio e sobrevive no Paraná

Um homem de 23 anos foi atingido por um raio quando se preparava para terminar uma...

Advogado natural do Vale do Piancó morre vítima de acidente de moto

Advogado natural do Vale do Piancó morre vítima de acidente de moto

O advogado Antônio Cláudio Carvalho Teotônio, conhecido por Cacau, de 47 anos,...

Chuvas nesse domingo (13/01) em Piancó causa prejuízos a empresas e torres de energia vem ao chão no Mirante de Santo Antonio

Chuvas nesse domingo (13/01) em Piancó causa prejuízos a empresas e torres de energia vem ao chão no Mirante de Santo Antonio

Várias empresas tiveram prejuízos diante da forte chuva que caiu sobre a cidade de Piancó...

MP pede mais de 1.500 anos de prisão para prefeito de Bayeux, PB, em nova denúncia à Justiça

MP pede mais de 1.500 anos de prisão para prefeito de Bayeux, PB, em nova denúncia à Justiça

Movimentação na Prefeitura de Bayeux antes de Berg Lima reassumir o cargo — Foto:...

Acesse o Site da Prefeitura de Água Branca, governo que trabalha com transparência

 

Instituto de Polícia Científica (IPC) da Paraíba (Foto: Reprodução/TV Cabo Branco/Arquivo)

Foto: Reprodução/TV Cabo Branco/Arquivo

Por G1 PB

A interdição do prédio de Instituto de Polícia Científica (IPC), em João Pessoa, foi suspensa parcialmente, pela segunda vez, na tarde desta quinta-feira (3), por meio de uma liminar do desembargador do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), Ubiratran Moreira. No dia 22 de março, uma decisão da juíza Margarida Alves de Araújo Silva havia determinado que o prédio fosse novamente interditado.

Entretanto, o desembargador retomou o prazo de 120 dias, estabelecido na primeira liminar concedida e contados a partir da data dessa, dia 13 de março, para que as reformas necessárias sejam realizadas.

A assessoria do Minitério Público do Trabalho na Paraíba (MPT-PB) - órgão que solicitou a interdição - informou que o procurador Eduardo Varandas está viajando e que não pode falar sobre o caso. O G1 também tentou falar com o novo diretor do IPC, Fábio Gomes, mas as ligações não foram atendidas.

No documento, o desembargador afirmou que foi considerada “a relevância dos serviços prestados pelo IPC, e os transtornos ocasionados pela interdição”, uma vez que os serviços estavam sendo realizados em outros locais. Na decisão, a dificuldade e o alto custo para reinstalação de equipamentos necessários a determinadas investigações também foram comentados.

Segundo o desembargador, parte das recomendações feitas na decisão anterior vem sendo atendidas pelo Governo do Estado. Ele também salientou que o Corpo de Bombeiros emitiu um laudo de vistoria técnica que constata que as pendências existentes, citadas em outro laudo, foram solucionadas.

No entanto, ele também ressaltou que essas medidas foram adotadas após a autuação do Ministério Público do Trabalho e cita que o desconhecimento, por parte da então direção do instituto, de um laudo feito pela Vigilância Sanitária, em novembro de 2017, “traz a aparência de um certo descaso com a situação, que, de resto, é denunciado pelo próprio estado de deterioração física do prédio, que certamente não veio a ocorrer de forma repentina”.

Ainda na liminar, o desembargador recomenda que os trabalhos que envolvam disparos de armas ou riscos de incêndio continuem sendo realizados na Academia de Polícia (Acadepol), até que a reforma do prédio seja concluída.

Em fiscalização, o MPT encontrou diversas irregularidades no instituto, como líquido cadavérico escorrendo e causando o risco de contaminação do lençol freático. Segundo o órgão, essas situações poderiam prejudicar funcionários, pessoas que utilizam o serviço e a população em geral.