Pesquisa no Blog

Conheça o autor

Pesquisa no Google

 
bove=""

 

REAL JUREMA CAMPEÃ 2017 DO CAMPEONATO TAVARENSE DE FUTEBOL

 

 

 

PADRE DJACY BRASILEIRO

NA LUTA CONSTANTE EM FAVOR

DA CLASSE MENOS FAVORECIDA 

Rádio Web

KM JUREMA CLIQUE NA IMAGEM ABAIXO E OUÇA A RÁDIO AO VIVO

Art Regina, Art com grafite

  Comunicação Audiovisual

STAR FOTO E VÍDEO

 

By Fábio Arrud@&Silvan@

Praça Coronel José Pereira -04

Centro-Princesa Isabel - PB

CONTATO: 041 83 999463213

         FECEBOOK

Prefeitura de Água Branca prepara grande festa para comemorar o aniversário de 59 anos de emancipação política

Prefeitura de Água Branca prepara grande festa para comemorar o aniversário de 59 anos de emancipação política

A Prefeitura de Água Branca, na região da Serra do Teixeira-PB, preparou uma vasta...

Em Catingueira, Ex-vereador Josivan Marques rompe com o prefeito Odir Borges e pode ter levado consigo três vereadores

Em Catingueira, Ex-vereador Josivan Marques rompe com o prefeito Odir Borges e pode ter levado consigo três vereadores

O ex-vereador e atual presidente do MDB de Catingueira, Josivan Marques, rompeu os laços...

Corpo de Promotor de eventos que ia se casar nesta quarta-feira com jovem de Piancó é encontrado em Jericó

Corpo de Promotor de eventos que ia se casar nesta quarta-feira com jovem de Piancó é encontrado em Jericó

De acordo com as primeiras informações, o corpo do jovem foi achado na Rodovia PB-325,...

Blog do Djacir Pereira vai retransmitir debate com candidatos ao Governo da Paraíba nesta segunda-feira (24)

Blog do Djacir Pereira vai retransmitir debate com candidatos ao Governo da Paraíba nesta segunda-feira (24)

Foto: Blog do LeviNa noite desta segunda-feira, dia 24 de setembro, o Portal Diário...

Pagamento do IPVA de veículos com placa final 9 deve ser antecipado na PB

Pagamento do IPVA de veículos com placa final 9 deve ser antecipado na PB

Donos de veículos de placa final 9 deverão antecipar o pagamento do Imposto Sobre a...

 

 

Gleisi Hoffmann. Foto: Divulgação/Twitter

POR FERNANDO BRITO, jornalista e editor do blog Tijolaço

Edson Fachin, que se dispôs a ser uma espécie de supremo escudeiro de Sérgio Moro na Lava Jato, deu um voto de contorcionista para pedir a condenação de Gleisi Hoffman no absurdo processo que está sendo julgado hoje.

As acusações são pífias e baseadas apenas em delações – que, aliás, se contradizem e mudam ao longo de todo o processo – e em rabiscos de iniciais “PB” que, insiste a promotoria, se refeririam a Paulo Bernardo, marido da hoje senadora e presidente do PT.

O argumento do subprocurador da República Carlos Vilhena , que a acusou, é de corar um frade: ”Enquanto parlamentar, líder do Partido dos Trabalhadores, do qual hoje é presidente, a senadora Gleisi Hoffmann podia, devia, ter estancado a sangria que ocorria na Petrobras”.

Quer dizer que um deputado é obrigado a saber do que se passa nos contratos de uma estatal e nas negociatas de um diretor, Paulo Roberto Costa, que nem pelo seu partido havia sido indicado?

Haja teoria do domínio e da “adivinhação” de fato.

Porque não há provas, embora Fachin tenha preferido usar a expressão “insuficiência de provas”.

Ao que é possível saber de seu voto pelos jornais que estão cobrindo a sessão, está tentando fazer uma “conta de chegar” usando o desmoralizadíssmo depoimento do deputado Pedro Correia, do PP, que se presta hoje a “pau para toda obra” de Sérgio Moro.

Já uwe uma delação não serve como base para condenar, arranja-se outra, para que ela não seja “solitária”.

Correa diz que Paulo Roberto Costa teria transferido R$ 1 milhão para a campanha de Gleise por ordem de Dilma. Mas Paulo Roberto Costa diz que Dilma nunca lhe  pediu nada e que deu o dinheiro para ficar “amigo” de Paulo Bernardo.

Duas histórias totalmente diferentes e contraditórias, mas que, para o raciocínio rastejante de Fachin servem como prova de que o milhão existiu.

E, com pase nesta “prova” imaterial, pediu a condenação, já que não tinha como pedir por corrupção, por “falsidade ideológica” eleitoral, por não ter declarado o dinheiro como doação.

Evidente, no caso, a chicana para condenar alguém por crime diferente da denúncia que falava em corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o que é vedado pelo princípio da correlação entre acusação e sentença.

É improvável que os demais ministros concordem com este “arranjo” para que Fachin, sem ter outra saída, fuja do papel de “absolvedor”, a que estaria obrigado se sua estatura moral não tivesse se reduzido  ao que se tornou.

Por isso, está enrolando a finalização do voto, para que o lobby da mídia possa tentar influenciar os demais juízes da Segunda Turma do STF.