Pesquisa no Blog

Pesquisa no Google

 
bove=""

 

REAL JUREMA CAMPEÃ 2017 DO CAMPEONATO TAVARENSE DE FUTEBOL

 

 

 

PADRE DJACY BRASILEIRO

NA LUTA CONSTANTE EM FAVOR

DA CLASSE MENOS FAVORECIDA 

Rádio Web

KM JUREMA CLIQUE NA IMAGEM ABAIXO E OUÇA A RÁDIO AO VIVO

Art Regina, Art com grafite

  Comunicação Audiovisual

STAR FOTO E VÍDEO

 

By Fábio Arrud@&Silvan@

Praça Coronel José Pereira -04

Centro-Princesa Isabel - PB

CONTATO: 041 83 999463213

         FECEBOOK

Polícia ainda não sabe quem causou acidente que deixou quatro mortos no Sertão da PB

Polícia ainda não sabe quem causou acidente que deixou quatro mortos no Sertão da PB

O carro de passeio ficou destruído com a colisãoFoto: Reprodução/WhatsAppQuatro...

Homem-bomba mata 14 pessoas no Afeganistão

Homem-bomba mata 14 pessoas no Afeganistão

Imagem da internet Um homem-bomba realizou um ataque perto do...

Queda de avião mata deputado estadual do PSDB

Queda de avião mata deputado estadual do PSDB

O deputado estadual Bernardo Ribas Carli (PSDB), 32 anos, morreu após a queda de uma...

Acidente envolvendo Ambulância de Conceição e Carro de Lucilene Gerente da Caixa de Itaporanga mata 4 pessoas

Acidente envolvendo Ambulância de Conceição e Carro de Lucilene Gerente da Caixa de Itaporanga mata 4 pessoas

O site Diamante Online apurou que um grave acidente envolvendo uma ambulância do...

juiza-explica-decisao-que-desobriga-cartazes-contra-homofobia

Tribunal de Justiça da Paraíba (Foto: Ednaldo Araújo/Divulgação/TJPB)

A juíza da 1ª Vara da Fazenda Pública da Capital, Flávia da Costa Lins Cavalcanti, justificou, nesta quarta-feira (27), a concessão da liminar que desobrigou seis empresas de afixarem cartazes sobre discriminação sexual.

Em entrevista à repórter Sandra Macedo, da 98 FM, a magistrada disse que decisão levou em consideração os princípios da igualdade e da livre iniciativa.

    Ela explicou que todos devem ser tratados de forma igual, sem privilégios, e lembrou que o preconceito existe em relação a pessoas negras, pobres, idosas, e nem por isso existem cartazes para estes segmentos da sociedade.

    Para a juíza, os comerciantes devem ter garantido o direito de expor livremente seus produtos. “Eu deixei bem claro na decisão que o que prevalece é o direito da liberdade. Quem quiser coloca, quem não quiser não coloca. Isso em relação a esses estabelecimentos. Não posso decidir em relação aos demais porque eles não ingressaram com nenhuma ação”, arrematou.

    (Portal Correio)