Pesquisa no Blog

Pesquisa no Google

 
bove=""

 

PADRE DJACY BRASILEIRO

NA LUTA CONSTANTE EM FAVOR

DA CLASSE MENOS FAVORECIDA 

Rádio Web

KM JUREMA

Org. Pauliano Tomaz

Art Regina, Art com Grafite

Comunicação Audiovisual -Tavares/PB.

 Fone: (83) 9 9869-8213. Hélio Mendes.

STAR FOTO E VÍDEO

 

By Fábio Arrud@&Silvan@

Praça Coronel José Pereira -04

Centro-Princesa Isabel - PB

CONTATO: 041 83 999463213

         FECEBOOK

Filho mata a própria mãe e ateia fogo no corpo da vítima; veja detalhes

Filho mata a própria mãe e ateia fogo no corpo da vítima; veja detalhes

Nas primeiras horas do último sábado (16), a Polícia Militar da cidade de Pau dos Ferros,...

Mulher é presa ao tentar com droga no Presídio Padrão de Cajazeiras

Mulher é presa ao tentar com droga no Presídio Padrão de Cajazeiras

Uma Mulher identificada Por Rafaela Guedes de Paula de 23 anos, foi flagrada tentando...

Kombi pega fogo quando era abastecida em posto de combustíveis, em Patos

Kombi pega fogo quando era abastecida em posto de combustíveis, em Patos

Na tarde deste domingo (17) uma Kombi pegou fogo durante abastecimento no Posto de...

PRINCESA ISABEL: Dia do Artista Princesense será celebrado com homenagens e apresentações culturais

PRINCESA ISABEL: Dia do Artista Princesense será celebrado com homenagens e apresentações culturais

No dia 19 de março é comemorado o Dia do Artista Princesense, graças a uma Lei municipal...

Governo Municipal de Água Branca beneficia o "homem do campo" com o Programa de Aração de Terra.

 

“A proliferação de mensagens e notícias falsas é uma das grandes preocupações nas eleições de 2018, principalmente em razão do uso de redes sociais, aplicativos de mensagens instantâneas e outros instrumentos tecnológicos que impulsionam conteúdos negativos, a exemplo da criação de perfis falsos”. A afirmação é do procurador regional eleitoral da Paraíba, Victor Veggi, ao anunciar, em entrevista ao jornal “Correio da Paraíba” que o Ministério Público Eleitoral está entrando na “guerra” contra a proliferação de “fake News” durante a disputa. O órgão está preparado para acionar ações na esfera criminal e medidas cautelares de busca e apreensão de material divulgado, contra os responsáveis que forem identificados e que estarão sujeitos a sanções eleitorais, crimes de calúnia, injúria, difamação e racismo.

O Ministério Público Eleitoral, de acordo com ele, espera contar com o apoio dos cidadãos na batalha permanente contra “fakenews”, diante do risco de interferência no equilíbrio do pleito. Veggi lembrou que o Tribunal Superior Eleitoral criou um grupo destinado a monitorar esse cenário durante a campanha eleitoral, focado na identificação da atuação de robôs e perfis clandestinos ou falsos com potencial de impacto na disputa, em prejuízo de certos postulantes. O Código Eleitoral já prevê como crime a divulgação de fatos inverídicos que possam influenciar o eleitorado. “Na Procuradoria Regional Eleitoral, estamos atentos a essa movimentação no ambiente virtual, seja por iniciativa própria ou a partir de notícias encaminhadas pelo cidadão, mas somente será possível uma avaliação mais precisa a partir da localização das mensagens e dos meios utilizados para sua circulação”, explicou.

O procurador salientou que é importante o papel da imprensa e do eleitor no sentido de buscar a confirmação do conteúdo de uma notícia antes de qualquer compartilhamento ou disseminação, até porque a veiculação da mensagem falsa pode repercutir, também, na seara criminal. Um estudo técnico sobre fake News foi elaborado pelo Grupo de Apoio sobre Criminalidade Cibernética e aprovado pela Câmara Criminal do MPE. O estudo orienta que o procurador contate o mais rápido possível o provedor utilizado na disseminação de falsas notícias (Facebook, Twitter, YouTube, entre outros) para ter acesso aos dados da publicação. A partir de então, será possível localizar a operadora de banda larga ou telecomunicação e identificar o computador ou celular usado. “Com essas informações, os procuradores podem atuar na esfera cível e responsabilizar quem integrou a teia de reprodução da notícia falsa. Caso o provedor não forneça os dados, o MPF pode requerer judicialmente”, esclareceu Victor Veggi. Da Redação (Via os Guedes)