Pesquisa no Blog

Pesquisa no Google

 
bove=""

 

PADRE DJACY BRASILEIRO

NA LUTA CONSTANTE EM FAVOR

DA CLASSE MENOS FAVORECIDA 

FESTIVIDADES JUNINAS EM ÁGUA BRANCA/PB

Rádio Web

Art Regina, Art com Grafite

Comunicação Audiovisual -Tavares/PB.

 Fone: (83) 9 9869-8213. Hélio Mendes.

STAR FOTO E VÍDEO

 

By Fábio Arrud@&Silvan@

Praça Coronel José Pereira -04

Centro-Princesa Isabel - PB

CONTATO: 041 83 999463213

         FECEBOOK

Pauliano Tomaz

Prefeito cassado de Bananeiras/PB é condenado a pagar indenização de R$ 50 mil a desembargador por calúnia

Prefeito cassado de Bananeiras/PB é condenado a pagar indenização de R$ 50 mil a desembargador por calúnia

Foto: ReproduçãoO prefeito de Bananeiras, Douglas Lucena, que teve seu mandato...

Mulher de 35 anos de idade morre de parada cardíaca, em Patos

Mulher de 35 anos de idade morre de parada cardíaca, em Patos

Morreu por volta das 9h50min desta terça-feira, 21/05, de parada cardíaca, a designer de...

ALPB aprova projeto de lei que estabelece prazo máximo de 30 dias para a realização de exames em pacientes com câncer

ALPB aprova projeto de lei que estabelece prazo máximo de 30 dias para a realização de exames em pacientes com câncer

 A Assembleia Legislativa da Paraiba (ALPB) aprovou por unanimidade, durante...

Policia Militar recupera veículo roubado em Condado

Policia Militar recupera veículo roubado em Condado

Na tarde desta segunda-feira, 20, enquanto em rondas no município de Condado, policiais...

Bebê é encontrado dentro de caixa de papelão

Bebê é encontrado dentro de caixa de papelão

Bebê foi abandonado dentro de caixa de papelão/Foto: Reprodução/Record TV...

Prefeito Ricardo Pereira agradece aos profissionais que fazem a saúde do município pela ótima avaliação através do PMAQ

 

Brasília - Alunos da rede pública de ensino do Distrito Federal participam de atividades de educação ambiental na Escola da Natureza (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Por Agência Brasil

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu hoje (1º) manter a validade da norma que definiu a idade mínima em que crianças podem ser matriculadas no ensino fundamental nas escolas públicas e particulares. A questão foi julgada a partir de questionamentos da Procuradoria-Geral da República (PGR) e do estado do Mato Grosso do Sul.

Por maioria de votos, a Corte julgou constitucional resoluções editadas pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), em 2010. As regras definiram que a matrícula no primeiro ano do ensino fundamental só pode feita se a criança tiver completado 6 anos de idade até o dia 31 de março do ano da matrícula. Dessa forma, se ainda tiver 5 anos, a criança deve continuar na educação infantil até completar o critério.

O julgamento começou em maio, mas foi interrompido por um pedido de vista do ministro Marco Aurélio, quando tinha sido registrado placar a favor das resoluções. Na sessão de hoje, os ministros Marco Aurélio, Celso de Mello e a presidente Cármen Lúcia, últimos a votar, também se manifestaram favoravelmente ao corte temporal.

Segundo Cármen Lúcia, o CNE levou em conta questões psíquicas e a unificação nacional da educação para definir a idade mínima para o ingresso no ensino fundamental. Em eu voto, a ministra também afirmou que o grande problema do Brasil é falta de educação eficiente.

“Negar a uma criança a educação formal é negar a ela não a capacidade apenas de exercer sua liberdade, mas de se libertar de condições que não são aquelas constitucionalmente previstas”, disse.

Entenda

A controvérsia sobre a questão ocorre porque a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional estabeleceu que o ensino fundamental começa aos 6 anos de idade, no entanto, a resolução do CNE foi além e criou o corte etário no mês de março, em uma tentativa de organizar o ingresso dos alunos nos sistemas de ensino do país. 

Especialistas em educação alegam que crianças com 5 anos não estão preparadas psicologicamente para ingressar no ensino fundamental. Além disso, governos estaduais afirmam que o corte é necessário porque não há vagas suficientes para todos os alunos na educação infantil. 

A restrição já foi contestada nas instâncias inferiores da Justiça por pais de crianças que queriam matricular seus filhos menores de 6 anos no ensino fundamental e conseguiram fazê-lo por meio de liminares. (Edição: Sabrina Craide)