Pesquisa no Blog

Conheça o autor

Pesquisa no Google

 
bove=""

 

REAL JUREMA CAMPEÃ 2017 DO CAMPEONATO TAVARENSE DE FUTEBOL

 

 

 

PADRE DJACY BRASILEIRO

NA LUTA CONSTANTE EM FAVOR

DA CLASSE MENOS FAVORECIDA 

Rádio Web

KM JUREMA CLIQUE NA IMAGEM ABAIXO E OUÇA A RÁDIO AO VIVO

Art Regina, Art com grafite

  Comunicação Audiovisual

STAR FOTO E VÍDEO

 

By Fábio Arrud@&Silvan@

Praça Coronel José Pereira -04

Centro-Princesa Isabel - PB

CONTATO: 041 83 999463213

         FECEBOOK

TSE abre investigação para apurar crime de Caixa 2 eleitoral de Bolsonaro

TSE abre investigação para apurar crime de Caixa 2 eleitoral de Bolsonaro

Por O GloboO ministro Jorge Mussi, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), abriu...

Assaltantes disparam quatro tiros no carro do filho de José Maranhão

Assaltantes disparam quatro tiros no carro do filho de José Maranhão

Por Click PBO carro de Leopidio Maranhão, filho do senador José Maranhão, foi...

Supremo derruba pagamento de pensão para ex-governadores da Paraíba

Supremo derruba pagamento de pensão para ex-governadores da Paraíba

Jornal da ParaíbaO Supremo Tribunal Federal (STF) proibiu, por unanimidade, o...

Celular pode ter causado incêndio em residência no interior da PB

Celular pode ter causado incêndio em residência no interior da PB

Uma casa pegou fogo nesta sexta-feira (19), na cidade de Sousa, Sertão da Paraíba, e...

EX-PREFEITO DO SERTÃO PARAIBANO É PRESO POR IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

EX-PREFEITO DO SERTÃO PARAIBANO É PRESO POR IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

O GTE de Cajazeiras conduziu na tarde desta quinta-feira dia 18, até a cadeia de...

 

PB Agora

Os desdobramentos da “Operação Cidade Luz”, desencadeada nesta quinta-feira (2) pelo Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público da Paraíba e polícias Civil e Militar, em Patos, podem acarretar no afastamento do prefeito Dinaldinho Wanderley (PSDB) e, consequentemente, levar o vice-prefeito Bonifácio Rocha (PPS) a assumir os destinos da cidade.
 
A operação, que foi autorizada pelo Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB), cumpriu 16 mandados de busca e apreensão em diversos pontos das cidades Patos e João Pessoa. Na ação, também foi decretada a prisão preventiva de um dos investigados.
 
Foram realizadas ainda buscas e apreensões na sede da Prefeitura de Patos e nas residências do prefeito Dinaldinho e de seu irmão, Gustavo Wanderley, que é pré-candidato a deputado estadual. Felipe Cartaxo, assessor jurídico da Prefeitura de João Pessoa, também é algo das investigações.
 
A investigação comandada pelo Gaeco aponta o pagamento de propina e a existência de superfaturamento no contrato emergencial de iluminação pública firmado pela Prefeitura Municipal de Patos no ano de 2017, com o envolvimento de agentes políticos, servidores comissionados e as empresas Enertec e Real Energy Ltda.
 
Há também provas da participação de outras empresas no fornecimento de propostas pré-ajustadas para a Concorrência Pública nº 01/2017, no município de Patos. Quanto ao núcleo composto por agentes políticos e servidores comissionados, foi identificado o pagamento de propina por meio de mecanismos de lavagem de capitais.
 
Membro do Gaeco, o promotor de Justiça Romualdo Araújo revelou, em entrevista à imprensa de Patos, que o esquema foi montado desde as eleições de 2016, quando foram viabilizados recursos via caixa 2 para a campanha de Dinaldinho.
 
“Nas reuniões anteriores a posse dele (Dinaldinho) aqui na Prefeitura de Patos, fixou-se um valor de 5% de propina para cada medição que era feita aqui na cidade. Essa empresa ainda conseguiu fazer quatro medições, onde foram retirados os 5% e repassados para o grupo político do prefeito”, afirmou.
 
Ainda segundo o promotor Romualdo Araújo, Dinaldinho teria pedido um adiamento de R$ 100 mil as empresas Enertec e Real Energy Ltda., com a justificativa de ajudar no São João Patos. O valor, conforme o membro do Gaeco, foi efetivamente recebido pelo prefeito em duas parcelas.
 
Início do esquema - As investigações mostraram que o grupo autuou entre setembro de 2016 e junho de 2017, mas, de acordo com o promotor, até dezembro de 2016 foram feitos pagamentos referentes à campanha eleitoral de Dinaldinho via caixa 2. “Em janeiro eleito, já com o prefeito empossado, as empresas começaram a prestar à prefeitura serviços na área de iluminação pública”, contou.
 
O promotor Romualdo revelou também que o grupo político liderando pelo prefeito Dinaldinho deve responder por crimes contra licitação, contra o erário público, organização criminosa e corrupção passiva.
 
Diante da gravidade das acusações, especialistas jurídicos ouvidos pela reportagem acreditam que o afastamento do prefeito Dinaldinho é inevitável. Procurado para comentar a possibilidade de assumir o comando da cidade, o vice-prefeito Bonifácio Rocha não foi encontrado.