Pesquisa no Blog

Conheça o autor

Pesquisa no Google

 
bove=""

 

REAL JUREMA CAMPEÃ 2017 DO CAMPEONATO TAVARENSE DE FUTEBOL

 

 

 

PADRE DJACY BRASILEIRO

NA LUTA CONSTANTE EM FAVOR

DA CLASSE MENOS FAVORECIDA 

Rádio Web

KM JUREMA CLIQUE NA IMAGEM ABAIXO E OUÇA A RÁDIO AO VIVO

Art Regina, Art com grafite

  Comunicação Audiovisual

STAR FOTO E VÍDEO

 

By Fábio Arrud@&Silvan@

Praça Coronel José Pereira -04

Centro-Princesa Isabel - PB

CONTATO: 041 83 999463213

         FECEBOOK

Incêndio de grandes proporções devasta grande área rural de Itaporanga há dias...

Incêndio de grandes proporções devasta grande área rural de Itaporanga há dias...

Segundo relato de moradores de algumas das áreas atingidas pelo fogo, o incêndio teria...

Estudante paraibano de 17 anos morre em acidente próximo a Brejinho-PE

Estudante paraibano de 17 anos morre em acidente próximo a Brejinho-PE

Um acidente nas proximidades da cidade de Brejinho, no estado de Pernambuco acabou com o...

DEPOIS DE JOÃO PESSOA, RICARDO PEREIRA CUMPRE AGENDA EM BRASÍLIA NA PRÓXIMA SEMANA

DEPOIS DE JOÃO PESSOA, RICARDO PEREIRA CUMPRE AGENDA EM BRASÍLIA NA PRÓXIMA SEMANA

O prefeito do município de Princesa Isabel – PB, Ricardo Pereira (PSB) cumpriu extensa...

Namorado mata mulher após sentir ciúmes vendo o ex no enterro da mãe dela

Namorado mata mulher após sentir ciúmes vendo o ex no enterro da mãe dela

Uma mulher foi morta a facadas pelo namorado nesta quinta-feira (15), em Pelotas (RS). O...

Procon de Patos reúne donos de postos para discutir baixa no preço dos combustíveis

Procon de Patos reúne donos de postos para discutir baixa no preço dos combustíveis

Visando combater a prática de preços abusivos no mercado, a Prefeitura de Patos, através...

 

Entre as vítimas, estão empresários, DJs e policiais, geralmente homens casados
 
Uma mulher de 29 anos foi presa, na segunda-feira (5), em uma academia de São Sebastião. Segundo a Polícia Civíl, agentes da 30ª Delegacia de Polícia (São Sebastião) reconheceram Patrícia Coutinho Pereira, que estava foragida após aplicar golpes por meio do aplicativo de relacionamento Tinder. Ela é investigada, desde maio de 2017, por estelionato, difamação e extorsão. Uma vítima chegou a perder cerca de R$ 50 mil no golpe.
 
Em setembro do ano passado, a suspeita foi condenada a 3 anos e meio no regime semi-aberto por denunciação caluniosa contra uma das vítimas e contra o delegado a frente do caso, João de Ataliba, adjunto da 1ª DP (Asa Sul). De acordo com a corporação, Patrícia, conhecida como a "Loba do Tinder", procurava as vítimas, normalmente homens casados, no aplicativo. Após seduzir e ganhar a confiança deles, aplicava os golpes.
 
Segundo Ataliba, a mulher tinha três modus operandi. No primeiro, quando ela conseguia conquistar a amizade da vítima, Patrícia dizia que um parente havia falecido e pedia empréstimos em dinheiro com o pretexto de ir ao sepultamento do familiar.
 
Na segunda forma de agir, Patrícia criava um vínculo com a vítima, se dizendo advogada ou empresária herdeira de uma rede de cosméticos. Com esse pretexto, pedia dinheiro emprestado para tocar o falso negócio.
 
Quando a vítima percebia havia sido enganada pela mulher e decidia dar fim ao relacionamento, as extorsões começavam. "Como a maioria desses homens eram casados, ela dizia que iria contar tudo às mulheres deles e aos amigos. Ela também ameaçava ir até trabalho deles fazer um barraco. Tudo para conseguir o dinheiro", explica o delegado.
 
Um servidor público federal foi uma das vítimas e perdeu cerca de R$ 50 mil. Ele manteve um relacionamento extraconjugal com Patrícia e, durante seis meses, fez empréstimos bancários para ela. O dinheiro era depositado na conta de outro homem — para quem Patrícia prometia um emprego de advogado na falsa empresa.
 
"Ela chegou a ir até a mulher da vítima e contar sobre o caso, o que gerou um divórcio. Depois disso, ela e o homem ficaram juntos por seis meses. Quando ele terminou, Patrícia não aceitou e o ameaçou. Chegou a publicar no Facebook coisas sobre ele e até mesmo, foi ao local de trabalho dele para o expôr ao ridículo", garante Ataliba.
 
Denúncias falsas
 
Quando a situação saiu do controle, o servidor público foi até a 1ª DP denunciar Patrícia. Durante as investigações, o delegado João de Ataliba levantou mais informações, chegando a outras pessoas que teriam sido vítimas do golpe. Em junho de 2017, a mulher foi até a unidade prestar esclarecimentos sobre o caso, ocasião em que o celular dela ficou apreendido.
 
"Como retaliação, ela foi até a delegacia e registrou um boletim contra a vítima no âmbito da Lei Maria da Penha. Ela alegou que o homem a havia espancado e chegou a receber medidas protetivas", relata Ataliba.  No aparelho telefônico da suspeita mais de 100 possíveis vítimas foram identificadas.
 
Ainda em junho de 2017, Patrícia procurou o Ministério Público do Distrito Federal e denunciou o delegado João de Ataliba por abuso de autoridade. "Ela disse que meus agentes a humilharam quando foram buscá-la para depor na delegacia. Mas imagens do hotel onde ela morava comprovaram que ela veio de livre e espontânea vontade. Ainda, alegou que subtraí o celular. Comprovamos que tudo era mentira", afirma.
 
Em decorrência das duas denúncias, Patrícia foi julgada e condenada a 3 anos e seis meses, em setembro de 2017. Com o resultado, ela fugiu para São Paulo e só foi encontrada em Brasília na segunda-feira (5). A investigação sobre os casos suspeitos de estelionato prosseguem na 1ª DP.
 
Por Correio Brasiliense