Pesquisa no Blog

Pesquisa no Google

 
bove=""

 

Canal do Blog no YouTube

PADRE DJACY BRASILEIRO

NA LUTA CONSTANTE EM FAVOR

DA CLASSE MENOS FAVORECIDA 

Rádio Web

Festa de Nossa Senhora do Carmo, no Povoado Lagoinha, em Água Branca - PB

TV PREFEITURAS

Art Regina, Art com Grafite

Comunicação Audiovisual -Tavares/PB.

 Fone: (83) 9 9869-8213. Hélio Mendes.

STAR FOTO E VÍDEO

 

By Fábio Arrud@&Silvan@

Praça Coronel José Pereira -04

Centro-Princesa Isabel - PB

CONTATO: 041 83 999463213

         FECEBOOK

Pauliano Tomaz

700 famílias da PB serão assistidas por ação emergencial da LBV

700 famílias da PB serão assistidas por ação emergencial da LBV

A Legião da Boa Vontade (LBV), faz à entrega das cestas de alimentos não...

Wilson Braga, 88 anos: “Fui injustiçado na disputa pelo Senado”

Wilson Braga, 88 anos: “Fui injustiçado na disputa pelo Senado”

Diamante OnlineOs Guedes - O ex-governador Wilson Leite Braga, que completa,...

Novas ambulâncias, médicos e outros profissionais qualificam atendimento de Unidade Básica de Saúde em Tavares

Novas ambulâncias, médicos e outros profissionais qualificam atendimento de Unidade Básica de Saúde em Tavares

Na busca frequente pela agilidade e eficiência no atendimento à população, a Prefeitura...

ÁGUA BRANCA: Secretaria de Saúde se antecipa e promove ações preventivas do ‘Julho Amarelo’

ÁGUA BRANCA: Secretaria de Saúde se antecipa e promove ações preventivas do ‘Julho Amarelo’

Mantendo um olhar especial para as ações preventivas, a Secretaria de...

 

Por Carlos Rocha

Portal T5

Por maioria de votos, a Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba manteve a decisão que condenou a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) ao pagamento de indenização no valor de R$ 150 mil e de pensão no valor de 1/3 do salário mínimo, a serem pagas ao cônjuge e filhos de uma mulher, que faleceu ao ultrapassar a linha férrea e ser atropelada por trem da CBTU. A Apelação Cível nº 0801058-04.2014.815.0751 teve relatoria da desembargadora Maria das Graças Morais Guedes, mas o desembargador Marcos Cavalcanti de Albuquerque, ao pedir vista da matéria, manteve a sentença e foi voto vencedor. A sessão ocorreu nesta quinta-feira (8).

Insatisfeita com a decisão de primeiro grau, a CBTU recorreu, alegando culpa exclusiva da vítima, que teria se colocado numa situação de risco e agido de forma imprudente. Defendeu que haveria, ao menos, configuração de culpa concorrente e requereu reforma da sentença, redução da verba indenizatória e afastamento da pensão.

Ao apreciar os autos e emitir o voto de vista, o desembargador Marcos Cavalcanti afirmou que a esposa e mãe dos apelados faleceu enquanto trafegava em uma motocicleta com seu cônjuge e, ao ultrapassarem a linha férrea, foram abalroados pelo trem. O desembargador esclareceu que, neste caso, era preciso observar a eventual existência de culpa concorrente por parte da vítima.

O autor do voto de vista disse que, pela sindicância instaurada pela companhia ferroviária, desprende-se que o trecho da linha férrea onde se deu o acidente se encontra em área urbana, na passagem de nível da Avenida Pedro Ulisses, no Município de Bayeux. Marcos Cavalcanti analisou, também, depoimentos das testemunhas, atestando que o lugar do acidente é bastante perigoso, sendo local de ocorrência de outros sinistros e que, no momento da colisão, o trem vinha em alta velocidade e só apitou quando estava muito próximo das vítimas. Observou, ainda, que no trecho, não há outra passagem para que os transeuntes utilizem.

“Caberia à companhia ferroviária adotar providências para prevenir acidentes, como a instalação de cancelas, sinalização eficiente, guarda permanente, ou mesmo orientação para o tráfego de veículos e pedestres em locais manifestamente propícios à ocorrência de acidentes”, defendeu o desembargador, concluindo, pelos documentos acostados aos autos, que não havia nenhum desses recursos a fim de alertar e impedir o fluxo de carros quando da passagem dos transportes ferroviários.

“Não o fazendo, a concessionária de serviço público deve arcar com as consequências de sua omissão, não havendo que se falar em culpa concorrente da vítima”, defendeu o desembargador, negando provimento ao recurso apelatório e mantendo a sentença proferida pelo Juízo da 4ª Vara da Comarca de Bayeux.