Pesquisa no Blog

Pesquisa no Google

 
bove=""

 

PADRE DJACY BRASILEIRO

NA LUTA CONSTANTE EM FAVOR

DA CLASSE MENOS FAVORECIDA 

Rádio Web

KM JUREMA CLIQUE NA IMAGEM ABAIXO E OUÇA A RÁDIO AO VIVO

Art Regina, Art com Grafite

Comunicação Audiovisual -Tavares/PB.

 Fone: (83) 9 9869-8213. Hélio Mendes.

STAR FOTO E VÍDEO

 

By Fábio Arrud@&Silvan@

Praça Coronel José Pereira -04

Centro-Princesa Isabel - PB

CONTATO: 041 83 999463213

         FECEBOOK

Bolsonaro avisa a Bebianno que ele está demitido

Bolsonaro avisa a Bebianno que ele está demitido

O presidente Jair Bolsonaro informou a Gustavo Bebianno que decidiu demiti-lo do...

Homem flagrado com 7 pinos de cocaína em São José do Egito

Homem flagrado com 7 pinos de cocaína em São José do Egito

A GT Ordinária realizava rondas e abordagens nos bairros da cidade e ao chegar nas...

Patos registra uma boa chuva na noite de ontem (15)

Patos registra uma boa chuva na noite de ontem (15)

Em Cacimba de Areia choveu das 17h30min às 19 horas e agora há pouco voltou a chover...

Câmera flagra momento em que homem atira em taxista após briga de trânsito, em JP

Câmera flagra momento em que homem atira em taxista após briga de trânsito, em JP

Um vídeo, registrado câmeras de segurança, mostra o momento em que um...

 

Com episódios recorrentes de violência tomando conta de todos os jornais, o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, voltou a falar, nesta sexta-feira (16), sobre a situação de calamidade em que se encontra o Brasil. Ele alertou que existem 70 facções criminosas no país, todas nascidas dentro do sistema prisional.


“Discutir violência sem olhar para dentro do sistema prisional é uma discussão capenga. O motor da violência nas ruas está dentro da prisão, e não fora”, apontou o ministro. Ele destacou que, para evitar que presos façam parte de facções, é preciso aplicar penas alternativas para condenados de baixa periculosidade e monitorá-los por meio de tornozeleiras eletrônicas.


É de dentro dos presídios que sai a maior parte dos comandos para atacar instituições públicas, incendiar ônibus e gerenciar milhões em drogas, por exemplo. Jungmann garantiu que é preciso discutir o sistema punitivo para diminuir a violência no país. Ele defendeu também, como forma de ressocialização, a oferta de trabalho e educação aos detentos. Mas cabe principalmente ao setor público (estadual e federal) combater, de forma mais eficaz, o funcionamento das facções, para, assim, controlar novamente os presídios.

Agência Brasil